Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Conheça a Política de Cookies.
Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.

  • '
    '

    Acpp

    Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal

  • '
    '

    Desde 1977

    Representa os Profissionais Portugueses de Cozinha e Pastelaria

  • '
    '

    Formação Profissional Certificada

    Escola Cozinha e Pastelaria

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

macieira

Em 1982 tive a honra de integrar o grupo português da Brigada José Marti que durante um mês esteve em Cuba para efetuar trabalho voluntário, assentando principalmente na colheita de goiabas. Quando chegámos fomos afavelmente recebidos.
Um “compañero”, já velhote, responsável pelo acampamento no Caimito, deu-me algo, que de tão simples, já me caiu no olvido. Retribuí a gentileza, oferecendo-lhe uma maçã camoesa que trazia no farnel. O velhote ficou tão contente que se fartou de agradecer. Guardou-a religiosamente dizendo que era para dar ao netito. Só então me apercebi que Cuba, embora possuísse variadas e deliciosas frutas tropicais, não produzia maçãs.
Ora, como se sabe, o fruto raro, ou proibido, é sempre o mais apetecido. Lembrei-me, a propósito, da lenda do primeiro bicho-homem, aquele que instigado pela Eva (sempre as mulheres) comeu o fruto proibido, o qual representava a sabedoria. Então Deus, como retaliação, não só o expulsou do Paraíso, como fez com que todos os homens ficassem, para sempre, com aquela saliência no pescoço que se convencionou chamar “maçã-de-adão”. Mitos e crendices que ainda hoje vigoram!
A macieira pertence à família das Rosaceae, à subfamília das Pomoideae e ao género Malus. Já, pelo menos há 6.500 anos a.C., se conhecia a Malus sylvestris, como revelaram vestígios arqueológicos encontrados no vale do rio Jordão. A partir da espécie primitiva, desenvolveram-se, ao longo dos séculos, cerca de 10 mil variedades, embora muitas tenham desaparecido. Hoje persistem por volta de 100 cultivares. Contudo, os mercados não apresentam mais do que uma dúzia de espécies de maçãs e não necessariamente as melhores em termos de nutrição. Simplesmente são mais bonitas e sobretudo mais rendíveis para os respetivos vendedores.
A macieira é uma pequena árvore de folha caduca que, quanto muito, atinge os 10 metros de altura. Tem apreciável longevidade e adapta-se a variados climas, mas não aos tropicais, pois necessita de baixas temperaturas para produzir abundante floração surgida no fim do inverno em simultâneo com a folhagem. As inflorescências, constituídas por cachos de 4 a 8 flores brancas ou rosadas, favorecem a apicultura. As folhas são elípticas, verde-escuras por cima e esbranquiçadas (peludas) por baixo. Cada fruto contém cinco cavidades com sementes providas de ácido cianídrico e portanto, algo tóxicas.
A maçã é uma fruta climatérica o que constitui uma enorme vantagem. Significa que pode ser facilmente conservada durante muito tempo sendo assim uma preciosa reserva alimentar.
É verdadeiramente impressionante a lista das propriedades medicinais atribuídas à maçã, fruto ligado ao pecado original, símbolo da tentação e idolatrado nas mitologias grega, celta, germânica, nórdica e cristã. Vejamos: anti-inflamatória do aparelho digestivo, antiácida (combate a acidez estomacal), antidiarreica, laxante suave, diurética, depurativa, anticatarral, anticolesterol, hipotensora, sedante, antidiabética, anticancerígena. Atentemos no provérbio antigo que, numa só frase, resume o essencial: “Uma maçã por dia mantém o médico distante”.
Dos constituintes da maçã salientam-se os seguintes: pectina, quercetina, açúcares, fibras, tanino, ácido málico, potássio, fósforo, ferro, magnésio, cálcio, vitamina C, vitaminas B1, B2 e B3.
Deve preferir-se sempre maçãs de produção biológica para que as possamos comer com casca, uma vez que os principais nutrientes se encontram na periferia da fruta.
Eis agora, a título exemplificativo, algumas das inúmeras mezinhas conhecidas:
- Cura de maçãs: Ingestão exclusiva de 500 a 1.500 gramas diárias de maçãs reinetas bem maduras, descascadas e bem raspadas no momento de as utilizar para impedir a oxidação. Tal quantidade dá para cinco refeições, sem mais alimento algum. “Serve para evitar a formação de ácido úrico nos carnívoros impenitentes e facilitar as eliminações nos artríticos, nos que sofrem dos rins e em todos os intoxicados por alimentação viciada” (preciosidade encontrada nos Cadernos Populares de Medicina Natural, edição de maio de 1954).
- Secar as cascas da maçã ao ar livre. Depois de secas podem ser guardadas numa caixa hermética. Lançar água a ferver sobre as cascas, as quais ficam a macerar durante 15 minutos. Coar e beber três chávenas por dia. Combate a obesidade, o reumatismo, o ácido úrico, a diabetes, o nervosismo e as dermatites.
- Decocção de 60 g de folhas e flores num litro de água. Tomar 4 ou 5 chávenas por dia. Funciona como diurético.
- Cozer em água maçãs cortadas aos pedaços. Beber o líquido. Muito útil para os doentes debilitados.
- Suco para tomar especialmente ao pequeno-almoço, como revitalizante.
Falta acrescentar que as maçãs cruas, cozidas ou assadas, combinam bem com todos os alimentos, o que não acontece com as outras frutas. E, já agora, tecer fartos encómios à cidra (bebida refrescante e levemente alcoólica) e ao vinagre de cidra, considerado o melhor dos vinagres existentes no mercado.


Miguel Boieiro

Acessos: 4022
Tagged Under

Visitantes

Temos 129 visitantes e 0 membros em linha

Morada

Morada: Rua de Sant`Ana à Lapa,
nº 71 C, 1200 - 798 Lisboa.
Telefone: +351 21 362 27 05
Fax: +351 21 362 58 15

Mail / Sites

Geral: acpp@acpp.pt 
Formação: formacao@acpp.pt  
Marketing: marketing@acpp.pt
Site: http://www.acpp.pt
Formação: http://www.acpp.com.pt